Lei n. 8.429/1992 - Artigo 3º

De WikiLegal

Página principalPortal comunitárioEsplanadaEstilos e ModelosAjudaContato


Livros.jpg Por enquanto esta página é apenas um esboço.





Art. 3° As disposições desta lei são aplicáveis, no que couber, àquele que, mesmo não sendo agente público, induza ou concorra para a prática do ato de improbidade ou dele se beneficie sob qualquer forma direta ou indireta.


As disposições da lei também são aplicáveis ao agente público e a todos os particulares que, embora não tenham praticado diretamente qualquer ato de improbidade, tenham induzido outro agente público para sua prática, ou para ele concorrido.

E mesmo não sendo agente público, terceira pessoa, física ou jurídica, também poderá ser alcançada pelas disposições da lei. Para tanto, basta que tenha concorrido ou induzido o agente público para a prática do ato de improbidade. Induzir dá bem a idéia de incutir ou fazer nascer no agente público o ânimo para a prática do ato ímprobo. Concorrer significa auxiliar o agente, de qualquer forma, para a prática da ilicitude.

Igualmente será alcançado pela lei o agente público ou terceiro particular que, embora não tenha induzido ou concorrido para a prática do ato desonesto, dele tenha se beneficiado sob qualquer forma, direta ou indiretamente.

Note-se que o dispositivo não exige a prova do vínculo subjetivo entre o agente público autor direto do ato de improbidade e o terceiro, bastando apenas a demonstração de que este se beneficiou de qualquer forma do ato ímprobo.

O benefício, a que se refere o dispositivo, pode ou não ser pecuniário. Como exemplo de obtenção de benefício pecuniário pode ser citado o caso da empresa que, conluiada com um agente público, "vence" uma licitação ou pratica preços superfaturados. Neste caso, além de concorrer para o ato de improbidade, a empresa também experimenta um benefício pecuniário direto.

De outra parte, para exemplificar um caso de obtenção de benefício não pecuniário, cite-se a hipótese de realização de concurso público para contratação de pessoal na administração direta ou indireta, no qual um dos componentes da banca examinadora - um agente público - favorece determinada candidata em razão de seus dotes físicos, sem o conhecimento desta, permitindo assim sua aprovação no certame.

Obviamente que as sanções da lei não poderão ser aplicadas ao beneficiário de boa fé, que no entanto será atingido pelos efeitos da sentença que desconstituir o ato viciado.


Jurisprudência:


1. Aplicação da lei ao terceiro, partícipe ou beneficiário
  • "Outrossim, repisando, não somente o agente público autor do ato de improbidade deve ser enquadrado na LIA, mas também todos os que do mesmo se beneficiaram, direta ou indiretamente, não havendo qualquer restrição aqui, pelo fato de serem os beneficiários indicados, agentes públicos ou particulares, pessoas físicas ou jurídicas" (TJSP, Apelação nº 93.979-5/0, São Paulo, 4a Câmara de Direito Público, Rel. Desembargador EDUARDO BRAGA, j. 27.04.2000).


2. Responsabilidade solidária do gestor público
  • "Ação Civil Pública. Improbidade Administrativa. Prefeito Municipal. Competência. Responsabilidade. Repetição de indébito. Cobrança de valores excessivos. Mostra-se responsável pelos atos que cometeu, por culpa, quem, como prefeito municipal, nomeia pessoas incompetentes para funções importantes e chancela atos por elas praticados sem o mínimo cuidado" (TJRS, Apelação nº 598188183, Segunda Câmara Cível, Relator Desembargador ARNO WERLANG, j. 16.06.99).
  • "Administrativo. Ação Civil Pública. Improbidade Administrativa. Responsabilidade solidária do gestor público. Responde pelos prejuízos causados ao erário, solidariamente, tanto o servidor, beneficiado pela irregularidade, como o prefeito municipal, na qualidade de gestor dos gastos públicos, tendo conhecimento do ato ilegal, causador do dano sujeito a reparação. Sentença parcialmente reformada. Apelação provida" (TJRS, Apelação nº 598331445, Terceira Câmara Cível, Relator Desembargador LUIZ ARI AZAMBUJA RAMOS, j. 11.03.99).







Referências


    acima: Lei n. 8.429/1992 - Lei de Improbidade Administrativa
    anterior: Artigo 2° | próximo: Artigo 4°


    • Informações bibliográficas: Nos termos da NBR 6023:2002 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), referências a este texto deverão ser feitas da seguinte forma:
    Saad Mazloum - Procurador de Justiça, membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Lei n. 8.429/1992 - Artigo 3º. WikiLegal, São Paulo. Disponível em: http://wikilegal.wiki.br/index.php?title=Lei_n._8.429/1992_-_Artigo_3%C2%BA&oldid=2869. Acesso em: Segunda, 10 de Dezembro de 2018, 14:20 UTC.
    Ferramentas pessoais